Desejo de ser mãe X Desejo de ter um filho: afinal, é a mesma coisa?

Mother's love. Cute baby 6 month with mother.

Olá seguidores

Hoje quero discutir com vocês um tema que, a princípio, parece ser a mesma coisa, mas não é… Afinal, qual a diferença entre querer ser mãe e querer TER um filho?

Antes de explicar essa diferença, penso ser importante trazer para discussão os aspectos emocionais que estão por trás do desejo de ser mãe, que implica sim em querer vivenciar o processo de cuidar e educar uma criança, mas que também implica em realizações narcísicas.

Sim, porque se relaciona com o narcisismo o fato de se sentir capaz de gerar uma criança, ver nela traços físicos parecidos com os seus, atitudes de comportamento semelhantes e, de certa forma, ter uma continuidade sua aqui neste planeta após a partida. Por isso é que a experiência da infertilidade costuma ser tão dolorosa, pois, além de ser necessário lidar com o adiamento do sonho da maternidade, sentimentos de incapacidade, menos valia e impotência costumam fazer parte deste cenário por estarem relacionados ao narcisismo que caminha junto com esse desejo.

Assim,  é  “normal” o narcisismo estar vinculado ao desejo de ser mãe, o complicado é quando ele sobrepõe-se ao desejo de ser mãe, ou seja, quando o filho é buscado por questões narcísicas somente.

Já presenciei casos onde a mulher nunca tinha cogitado ser mãe e, a partir da fala de seu ginecologista em uma consulta de rotina: “A senhora, dificilmente, poderá ser mãe, visto  que já está com idade muito avançada.”; procurou um médico especialista em reprodução assistida e disse:” Quero engravidar, vou provar para aquele médico que posso sim engravidar! Como ela se atreve dizer que não posso!”.

Casos como este mostram que o desejo de TER um filho, prevalece sobre o desejo de ser mãe, pois a preocupação encontra-se exatamente no ter e não no ser mãe. Outro exemplo relacionado a isso refere-se aos casos onde a mulher quer engravidar após a irmã, cunhada ou amiga ter engravidado porque acredita que não “pode ficar para trás” e não porque passou a querer ser mãe.

Portanto, penso ser importante refletirmos sobre esses aspectos, afinal, embora questões narcísicas estejam presentes no desejo de ser mãe, buscar a gravidez, principalmente, para realizar-se neste sentido, pode ser muito arriscado para mãe e  criança, uma vez que ser mãe corresponde a algo que extrapola a autoestima e diz respeito a um intenso trabalho de dedicação ao processo de formação de um outro, claro que, tudo isso, envolvido em meio a muito amor.

Luciana Leis

Anúncios

Dificuldades para engravidar e o “Dia das Mães”

mae-segurando-a-mao-do-bebe-15845Olá, seguidores!

Eu não poderia deixar de escrever algo para o “Dia das Mães” que é amanhã.

Entendo, perfeitamente, que é uma data que costuma deixar muitas “tentantes” ainda mais chateadas, afinal, o apelo na TV e outros meios de comunicação, deixam as feridas desse processo de busca pelo filho mais abertas.

Somado a isso tudo, as redes sociais com fotos de mães e as suas lembrancinhas dos filhos para elas, intensificam todas essas emoções e tornam esse vazio um buraco profundo, afinal, é como se todo esse apelo trouxesse mais inseguranças e o questionamento: “Será que um dia eu vou viver isso?”.

Acredito que são pensamentos e sentimentos esperados nesta época, inclusive se a inveja começar a querer (re)aparecer. Inevitavelmente, há situações onde a vida nos coloca de frente com nossas frustrações e, acredito que o “Dia das Mães”, é um desses momentos.

Diante disso, buscar meios de lidar melhor com esse dia pode ser um caminho para tentar ficar menos triste. Evite acessar o tempo todo redes sociais nesta época e fuja dos comercias de TV com essa temática, se essas coisas te aborrecem. Isso é diferente de não buscar enfrentar essa situação, mas sim, uma forma de se proteger um pouco mais de contextos que podem fragilizá-la ainda mais, como esse dia em específico.

Para as que têm mãe, aproveitem esse dia com ela, na posição de filha; e para as que perderam sua mãe, busquem se envolver neste dia com atividades que lhe distraiam e lhe dêem prazer.

Porém, não deixem de lado o sonho e a esperança de poderem viver essa data na posição de “Mãe”, afinal, a vida é dinâmica, e neste movimento que lhe é próprio, amanhã pode ser você neste lugar tão sonhado. Boa sorte!

Luciana Leis