Homenagem ao “Dia dos Futuros Papais”

Olá, seguidores!

Com a proximidade do “Dia dos Pais” quero dividir com vcs o comercial deste ano do chocolate Ferrero Rocher. O comercial aborda, de forma sutil, a conquista da gravidez no contexto da dificuldade de gravidez.

Penso que não podemos esquecer que os homens também sofrem em meio à infertilidade e e, em grande parte das vezes, são o ombro que nos acalenta nas decepções e o incentivo a não desistirmos do sonho. Fica aqui minha homenagem aos futuros papais!

Luciana Leis

 

Anúncios

5 dicas para não deixar as tentativas de engravidar desgastarem a relação

relacionamento  Olá, seguidores!

Gostaria de compartilhar com vcs uma série de entrevistas que concedi ao site: “Ficar Grávida”. Estou publicando abaixo uma delas e, em breve, posto as outras. Abçs à todos!

Luciana Leis

5 dicas para não deixar as tentativas de engravidar desgastarem a relação

O estresse causado pelas tentativas malsucedidas de gravidez pode desgastar o relacionamento entre o casal. Por isso, é essencial que o casal cuide da relação para suportar essa espera unidos. Não deixe que isso afete o seu relacionamento! Confira as dicas da psicóloga Luciana Leis – especialista em casais com dificuldades para engravidar.

1 – Mantenha a rotina

É importante manter a rotina que o casal tinha antes das tentativas. Trabalhem normalmente, visitem lugares que vocês costumavam ir antes de começarem a tentar engravidar. Não deixe que apenas o tema gravidez reja do relacionamento de você.

2 – Amplie as horas de lazer

Façam viagens para lugares especiais, saiam para jantar a dois e também com amigos, surpreenda o seu parceiro. Programas especiais são essenciais para o casal espairecer e tentar aliviar o peso das tentativas malsucedidas.

3 – Abra o coração

Luciana Leis diz que o diálogo entre o casal é imprescindível. “Dividam os sentimentos de frustação e ansiedade que essa vivência costuma trazer. Afinal, ambos estão passando pelo mesmo processo”.

4 – Não culpe o outro

Sejam parceiros! Não culpe o parceiro que apresenta o fator físico que dificulta a gravidez. Ninguém escolhe ter dificuldades para engravidar. Não estar conseguindo engravidar, é um problema do casal e não de um só.

5 – Resgatem sentimentos

Procurem resgatar os motivos que levaram vocês a se escolherem enquanto casal. Enquanto a gravidez não acontece, invistam no cuidado de um com o outro. Lembre-se: vocês não escolheram estar juntos através de um teste de fertilidade.

Fonte: http://www.ficargravida.com.br/comportamento/5-dicas-para-nao-deixar-as-tentativas-de-engravidar-desgastarem-relacao/

Estresse e ansiedade em meio aos tratamentos de fertilização in vitro (FIV) não prejudicam a taxa de gravidez

ansiedade e gravidezO post de hoje é sobre um tema que muitos leitores me escrevem para tirar dúvidas: “afinal, a ansiedade/estresse atrapalha nos resultados de gravidez nos tratamentos de FIV?”.

Percebo que, no senso comum, há uma crença de que esses elementos prejudicam sim nos tratamentos e, se não há respostas para a conquista da gravidez com a técnica de fertilização in vitro, o grande vilão foi o estresse vivenciado durante esse processo.

Penso ser importante esclarecer que não há como ficar “zen” fazendo tratamento para engravidar, os hormônios, rotina de ultrassons e auto-cobranças pela gravidez mexem com qualquer ser humano, por mais tranquilo que ele seja. Assim, certa dose de ansiedade e estresse são esperados neste processo, porém, se a intensidade for demasiada, sempre recomendo psicoterapia para auxiliar na diminuição dessa carga emocional e melhor enfrentamento de toda essa situação.

No entanto, não sei se a maioria de vcs sabe, mas, além de psicóloga clínica, também sou pesquisadora no Projeto Alfa e, a fim de esclarecer melhor sobre os possíveis efeitos negativos do estresse e ansiedade nos tratamentos de FIV, fui investigar sobre o tema.

O resultado disso, foi o trabalho que acaba de “sair do forno” e que foi aprovado e apresentado agora no Congresso Europeu  de Reprodução Humana (ESHRE), que aconteceu de 29 de junho a 2 de julho em Munique.

Nesta pesquisa foram incluídas 79 pacientes, com idades até 35 anos e com bom prognóstico de gravidez no tratamento de FIV. Utilizei como medidores de estresse e ansiedade- no momento da transferência embrionária- testes psicológicos e a medida da pressão arterial e frequência cardíaca.

Não houve associação entre estresse/ansiedade com taxa de gravidez em nenhum dos marcadores de estresse/ansiedade analisados. Ou seja, nesta pesquisa, o estresse e ansiedade, mesmo nas pacientes que o apresentaram em níveis mais elevados, não foram associados à testes negativos de gravidez.

Assim, acredito que os resultados do meu trabalho podem colaborar para deixar as mulheres que estão vivenciando esse processo, menos culpadas com sentimentos de estresse e ansiedade, tão comuns nos tratamentos de FIV.

A razão de um resultado de BHCG negativo em meio aos tratamentos ainda continua sendo uma incógnita e acredito que não poderia ser diferente, afinal, estamos falando de vida, e sobre a chegada de uma nova vida, não temos nenhum controle!

Luciana Leis

“Dia das Mães” e o desejo de ser mãe

maternidadeOlá, caras (os) seguidoras(es)!

Com a proximidade do “Dia das Mães”, não poderia deixar de publicar um post a respeito deste tema. Sei bem, o quanto é complicado passar por essa data comemorativa sem ainda ter engravidado, porém, não podemos controlar tudo, e é necessário força e paciência para seguir em frente e buscar mudar essa história.

Diante da dificuldade de gravidez, são inevitáveis as comparações com a maioria das mulheres que conseguem engravidar rapidamente e de forma espontânea. Vê-las felizes e satisfeitas nessa época, postando fotos de homenagens de seus filhos para elas nas redes sociais, só colabora para o aparecimento de sentimentos de menos valia e incapacidade para quem ainda não conseguiu realizar esse sonho.

Não tem jeito, a inveja acaba sendo intensificada neste momento, principalmente, devido ao “bombardeio” de notícias sobre esse tema.

Sei que muitas (os) de vcs se culpam quando aparecem esses sentimentos, acreditando, inclusive, que não estão conseguindo engravidar por senti-los, no entanto, eles são comuns à todo ser humano nos momentos de frustração. Ao contrário do que gostaríamos, não temos sentimentos só positivos, sendo que os sentimentos de hostilidade, raiva e inveja também podem aparecer dependendo do que estamos vivendo,  e podemos trabalhá-los dentro de nós à medida que lidamos melhor com nossas limitações e com as coisas que não dependem só da gente.

O caminho a ser percorrido por cada um nesta busca não é fácil, mas é o desejo de ser mãe que motiva toda essa caminhada, esse desejo que nós mulheres costumamos cultivar desde a infância, com as brincadeiras de boneca e que, na vida adulta, podemos ir atrás para que se torne realidade.

A crença interna de que esse bebê, em alguma hora, chegará, é muito importante para a manutenção da perseverança nesta batalha, afinal, somente quando vamos atrás do que queremos é que podemos potencializar que o sonho aconteça e, o gosto da conquista, é bem diferente para quem passou por essa dificuldade.

Luciana Leis

“Dia das Mães” e Infertilidade: não deixe o sonho morrer

mae_e_bebe2_400Eis que se aproxima o “Dia das Mães”, data de comemoração para as mulheres que já possuem seus filhos e também de festa para os filhos que contam com o prazer ilustre desta doce presença em suas vidas.

Porém, nem tudo são flores,  já que um misto de sentimentos conflitantes podem surgir em meio à essa data para as mulheres que estão em busca de vivenciar, agora no papel de mães, esse grande dia. Desta forma, precisam se deparar com a espera e incerteza deste filho que não chega, podendo contar, somente, com essa comemoração no papel de filhas. Mas isso não basta quando a vontade de ser mãe grita em seus interiores.

Em meio ao bombardeio de anúncios de TV, jornais e revistas que trazem nesta época muitas mães felizes ao lado de seus filhos, há do outro lado, uma vasta multidão de mulheres em busca  da realização do sonho de serem mães, que observam tudo isso com seus corações partidos e, em alguns casos, desesperançados.

A vivência da dificuldade de gravidez não é nada fácil, a frustração e tristeza costumam estar bastante atreladas em meio à essa experiência, sendo que a falta de respostas do “porquê” estar tendo que passar por tudo isso algo que atormenta.

Cada menstruação que desce anuncia a morte de um bebê imaginário, construído ao longo de todo o mês, que não pôde se materializar. Quanto maior a espera por esse filho, maior também são as incertezas e inseguranças de que um dia ele chegará.

Manter a esperança de que, em algum momento, o sonho será possível não é uma tarefa fácil em meio à tantas dores e decepções. No entanto, o desejo de ser mãe costuma ceder energia para o enfrentamento desta situação e busca por soluções desse problema.

Alimentar a esperança é fundamental para que se possa ter motivos para lutar e não desistir dos sonhos, mesmo quando eles parecem estar distantes.

Luciana Leis