Jornada de Psicologia em Reprodução Assistida

Olá, pessoal!

Hoje o post é para colegas “psis” e de áreas relacionadas à reprodução assistida. Teremos 2 importantes eventos na área (um em São Paulo e outro em Goiânia), dos quais também terei participação.

Sintam-se mais que convidados!

Luciana Leis

CURSO DE PSICOLOGIA FOLDER_Page_1 (1)

174e28f4-bb8f-48ba-b57d-2fa231e0a2e0

Anúncios

Como buscar forças para ir em frente?

lutaOlá, pessoal!

Depois de um loooongo tempo sem escrever no blog, finalmente, consegui um tempinho para postar sobre uma questão que considero ser de extrema importância: como conseguir buscar forças para ir em frente depois de tantas frustrações na busca pela gravidez?

Todos sabemos que não é nada fácil lidar com as diversas decepções envolvidas no processo de busca pelo filho. Digo diversas, pois sei que a chegada da menstruação ou o exame de beta negativo podem ser apenas algumas delas, uma vez que muitas outras podem estar embutidas neste meio, intensificando ainda mais essa dor, por exemplo: falta de resposta ao estímulo da ovulação, ausência de óvulos na punção, ausência de embriões a serem transferidos, abortos, adiamento do tratamento devido à necessidade de cirurgia ou exame complementar e muitos outros imprevistos que deixam essa caminhada ainda mais difícil.

Percebo que muitos casais chegam a apresentar um esgotamento físico e emocional, devido aos desgastes provocados pela busca de gravidez, quer seja através dos tratamentos ou não.

Porém, infelizmente, ainda não existe um botãozinho onde se “liga” ou “desliga” o desejo de filhos. Embora eu note que, em certos momentos, a vontade de muitos casais é de desistir e deixar essa história de lado, em contrapartida, a presença do desejo de filhos faz renovar a esperança e os mantém tentando um resultado diferente do negativo.

Mas, para tentar é necessário energia, força, e essa não brota simplesmente do nada para investirmos nos nossos sonhos. Primeiramente, precisamos estar, minimamente bem, para conseguirmos resgatar essa energia a nosso favor.

E para estar “minimamente bem” é necessário cuidar de si. Cuidar sim do desejo de filho que ainda não foi realizado, mas, também poder cuidar dos outros desejos que existem dentro de você e que são mais possíveis de se ter acesso imediato, pois pode-se exercer um certo “controle” para sua realização.

Assim, vale a pena pensar em fazer aquele curso que há tempos você gostaria de se matricular, aquele esporte que você deixou de cogitar para si ou aquela viagem que você e seu marido planejavam realizar. Todos esses planos adiados pois “vai que você engravida!”.

Não é raro se ter a sensação de que a vida fica parada em função da busca pelo filho, e isso acontece, justamente, pela dificuldade que temos de investir em outros projetos de forma concomitante. Muitas pessoas acreditam que precisam priorizar o tratamento e essa busca para que o bebê possa chegar, como se o filho fosse vir como merecimento à toda essa dedicação, sendo que isso, na verdade, não é garantia de resultado algum.

Reflita que justamente na realização desses projetos paralelos que se pode ter mais alegria, melhor autoestima e determinação. Tudo isso colabora para nos deixar mais fortes e com mais energia para lutar e não desistirmos do sonho de  ter o filho nos braços.

Luciana Leis

IV Jornada Paulista de Psicologia em Reprodução Assistida

Olá, pessoal!

O post de hoje é para os colegas psicólogos, médicos, embriologistas, biomédicos, biólogos, enfermeiros e outros profissionais que se interessem pelo tema reprodução assistida.

Dia 02/12/2017 (sábado) acontecerá a IV Jornada Paulista de Psicologia em Reprodução Assistida, com minha organização e do Dr Newton Eduardo Busso. O evento será em SP, próximo à Av. Paulista e contará com participação de profissionais de vários estados do Brasil que atuam em Reprodução Assistida. A programação está super interessante!

Quem quiser se inscrever, entre em contato com a RG eventos pelo telefone: 3253-3713.

Espero vcs!

Luciana Leis

cartaz

III Jornada Paulista de Psicologia em Reprodução Assistida

Esse post é destinado aos colegas psicólogos(as) e da área da saúde. Estou organizando a III Jornada Paulista de Psicologia em Reprodução Assistida pelo Projeto Alfa e Sociedade Paulista de Medicina Reprodutiva. Será dia 03/12/2016, sábado, das 8:30 às 13:30, na R Cincinato Braga, 37 (em frente ao Shopping Patio Paulista). Espero vcs!

Programação:

Desejo de filho: O que está por trás disso?

-Suporte Psicológico ao casal infértil: possíveis formas de atuação
-Desejo de filho o que está por trás disso?
-Dr. Google e as pacientes inférteis
-Apresentação e discussão de casos clínicos em infertilidade
-Reprodução assistida e as novas formas de conjugalidade e parentalidade
-Adoção como via de realização de desejo por um filho
-Avaliação psicológica de casais em fila de adoção
-Recepção de gametas de terceiros – revelar ou não a criança?

Informações e inscrição: eventos2@rgcomunic.com.br | (11) 3253-3713

folder-jornada

Entrevista sobre desejo de ser mãe Programa Vida Plena- LBV

Olá, queridos seguidores

Na semana do “Dia das Mães” concedi uma entrevista sobre “Fatores emocionais da infertilidade” ao programa Vida Plena da Legião da Boa Vontade- TV, a entrevista está disponível abaixo.Compartilho com vcs!

Espero que gostem!

Luciana Leis

X Jornada de Psicologia Humana Assistida e III Encontro de Psicologia em Reprodução Assistida

Queridos

Aproveito o espaço para convidar os profissionais que tenham interesse no campo de psicologia/ infertilidade/ reprodução assistida a irem ao evento no qual estarei dando uma palestra! Espero vcs!

jornada

Desejo de ser mãe “em tempos de zika”

Oi, Pessoal!zika

Com tanta repercussão que o zika vírus tem tido nos últimos tempos, vou aproveitar esse espaço para colocar o que tenho percebido e o que penso em relação a esse assunto.

É fato que grande parte das mulheres que estavam planejando ou já tentando engravidar ficou bastante apreensiva com a possível associação do zika vírus com os casos de microcefalia. Muitas resolveram adiar o plano do bebê, voltando a utilizar meios contraceptivos ou abandonaram seus tratamentos para a infertilidade. Lógico que essa escolha é compreensível neste momento, porém, há as mulheres que, mesmo com todo o alarme a respeito do zika, decidiram ir em frente no seu desejo e não deixar o sonho para depois.

Essas mulheres, muitas vezes criticadas pelos que estão a sua volta, “Você é louca! Agora não é momento para engravidar!”; “Quer ter um filho com problema?”, também se preocupam em contrair a doença, no entanto, o desejo pelo filho é maior que o medo e essa escolha deve ser respeitada.

Ninguém, além da mulher que é dona de seu próprio corpo, saberá qual o melhor momento para se ter um filho em sua vida. Critica-la por sua escolha em nada ajuda. Afinal, não há nada de errado em querer ter um filho e há maneiras de buscar  se proteger através de roupas, repelentes, evitando zonas endêmicas etc.

Arrisco até dizer que alguns dos que criticam gostariam também de ter a coragem dessas mulheres em não adiar os seus desejos. No entanto, ninguém é igual a ninguém, acredito que cada pessoa precisa avaliar seus medos e como essa notícia do zika vírus repercute dentro de si para, assim, tomar a melhor escolha quanto a adiar ou ir em busca de uma gravidez neste momento. Para as mulheres que estão muito apreensivas com o zika vírus e, que pelo fator idade, não têm mais tempo a perder, a opção pelo congelamento de óvulos ou embriões pode ser uma boa alternativa.

Ainda há poucas certezas a respeito desse assunto e a cada momento surge uma nova notícia, desta maneira, cada mulher deve seguir o que sente para tomar sua decisão, sem tentar influenciar as demais, afinal, ter ou não um filho, independente do contexto, pertence à intimidade de cada casal.

Luciana Leis